Arquivo da categoria: Dança em BH

Workshop de dança com Diogo Granato em Belo Horizonte

diogo granado

 

Local: Corpo Escola de Dança – Av, Bandeirantes 866

Dia : 25 de maio

Horário: 10h às 14h

 

Investimento: R$60,00*

Realização: Associação Cultural Dança Minas

 

*Associados terão desconto no valor acima.

 

 

 

SOBRE A OFICINA
 
Nesta oficina, Diogo Granato abordará a técnica criada por Cristiane Paoli Quito e Tica Lemos para que a improvisação seja apresentada como espetáculo, e não só como fonte de pesquisa, trabalhando conceitos como  o Movimento Imagem, o Aterramento, a Escuta da Rede, que foram desenvolvidos para esse fim. Dentro dessa proposta há também o uso de diversas outras técnicas que enriquecem a composição, a dramaturgia e o corpo do intérprete de Improvisação Dança-Teatro, como o “Contato Improvisação” e o “Material pra Coluna”, ambos de Steve Paxton, o “Underscore” da Nancy Stark Smith, os estudos de sustentação da imagem da “Pré-Dança” da Lisa Nelson, os conceitos de “entradas e saídas” e os jogos de corte de Katie Duck.

Diogo Granato, acrescenta à sua pesquisa a chamada composição pictórica e cinematográfica, que trabalha a composição da cena ora como uma tela de pintura, ora como cinema. Isso inclui perspectiva (atmosférica e de ponto de fuga) e profundidade, enquadramento (o intérprete faz parte do “assunto” ou da moldura da tela, está em quadro ou é parte do enquadramento), foco (sendo ele parte do “assunto”, é o foco da ação ou é secundário, ou parte da paisagem), pontos de vista (ele está fazendo a ação, recebendo a ação ou assistindo à ação – primeira, segunda ou terceira pessoa), e assim por diante.

 
SOBRE DIOGO GRANATO


Criador e intérprete de solos de Dança-Teatro como “Aretha”, que o rendeu melhor intérprete de 2006, pela Associação Paulista de Críticos de Arte, e “Seis Sentidos?”, que encerrou o “Intransit Festival” em Berlim, e de duetos com importantes figuras da música como Natalia Mallo (Brasil/Argentina) e Mathias Landaeus (Suécia). Diogo é, também, intérprete-criador da premiada Cia Nova Dança 4 há quinze anos. E diretor do Silenciosas e do GT’Aime, ambos grupos de Dança-Teatro. Estudou com muitos dos melhores professores e diretores de dança, teatro e circo do Brasil e alguns de fora, e é membro do “Le Parkour Brasil”, grupo pioneiro do Parkour e do Freerunning no Brasil.Diogo foi professor do Estúdio Nova Dança, e hoje, trabalha no Espaço, sua escola de Dança, Improvisação e Astanga Yoga, que abriga a Cia Nova Dança 4, as Silenciosas e o GT`Aime.Dança: começou aos 12 anos com um curso de consciência corporal dado por Beth Bastos, da técnica do Klauss Vianna, aos 18 começou Contato Improvisação com Tica Lemos, Dança Contemporânea com Lu Favoreto, New Dance com Adriana Grechi, Improvisação Dança-Teatro com Cristiane Paoli Quitoe Tica Lemos e Clown com Cristiane Paoli Quito no Estúdio Nova Dança. Já participou como intérprete criador de dança da Cia Nova Dança (dir. Adriana Grechi), da Cia Wlap (dir. Luis Abreu e Patrícia Werneck).

 

 

Divulgação:

 

Hoy Pocilga

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Dança em BH

Cia Mário Nascimento estréia NÔMADE

IMG_2726-94

 

O Nômade que falamos aqui é aquele que reside em nós. É um Nômade que nos torna inquietos e nos faz buscar algo maior em nossas vidas… ou algo mais simples… O nômade que vive dentro de nós precisa ser ouvido e alimentado para que não nos tornemos imóveis e pesados blocos de concreto. Que aprendamos com esse nômade a romper nossos paradigmas, ultrapassar nossas fronteiras internas, vencer nossos medos, descobrir novos mundos dentro de nós e dentro de outras pessoas que se aproximam.

 

Desapegar. Partir. Mudar.

 

Desterritorializar.

Libertar o pensamento.

 

Ser nômade não é só o deslocamento geográfico de seres. E sim, um processo contínuo de transformação.

 

Cia Mário Nascimento – 15 anos

 

www.ciamn.blogspot.com

 

Estréia Nacional: de 4 a 7 de ABRIL em Belo Horizonte – Teatro Oi Futuro Klauss Vianna – de quinta a sábado 21:00hs e domingo 19:00hs – ingressos 15,00 reais inteira e 7,50 meia

 

Deixe um comentário

Arquivado em Dança em BH, Espetáculo

O coletivo Movasse apresenta dois trabalhos essa semana

Dias 24 e 25/11

 Playlist III

No SESC Palladium / Espaço Multiuso

Improvisação Interativa em Dança – Coletivo Movasse com a participação de Marise Dinis

 

O espetáculo Playlist é uma Improvisação Interativa em Dança, do Coletivo Movasse, com participação especial de Marise Dinis.   A produção da obra Playlist é baseada na autenticidade, na criatividade e talento dos seus integrantes. O roteiro é predefinido, porém sem amarras ou paradigmas e pretende dessa maneira, interagir com o público que comparecer ao local.   O “Coletivo Movasse e Marise Dinis em Playlist” é um trabalho de improvisação em dança em que o público participa do processo de roteirização do espetáculo, interagindo na construção das imagens.

 

Dia 22/11

Não Me Fales de Freddy Krueger

No Festival de Dança do Triângulo 2012

Um solo de Andréa Anhaia

 

“Não me fales de Freddy Krueger” é uma pequena passeio por meio das complexidades que compõem a personalidade da intérprete, por meio dos seus próprios sonhos.

 

 

 

O Grupo:

MOVASSE é um coletivo de criação que visa manter o trânsito livre de pessoas, informações e idéias. Surge no cenário da dança contemporânea para agregar pensamentos, na tentativa de reunir e praticar idéias sobre o movimento.

Tendo na sua raiz a diversidade, não há o receio de cair ou fugir de tendências, ou até mesmo de encontrar uma determinada linguagem. Contudo, visa proporcionar um lugar de reflexão e porto seguro para a realização de propostas artísticas inusitadas.

Sediado em Belo Horizonte – Minas Gerais, mas com os olhos voltados para a cultura brasileira, seus idealizadores são Carlos Arão (PB), Andréa Anhaia (PE), Ester França e Fábio Dornas (ambos de MG). Dançarinos com diferentes formações, informações e influências, mas unidos por uma afinidade artística: o movimento. Dessa forma, MOVASSE é um espaço aberto para diferentes formas de pensar a dança, além de ser um lugar de discussão, debate, pesquisas teórica e corporal.

Deixe um comentário

Arquivado em Dança em BH

AVEsTRUZ Só Tenho Rascunho

 

A multiarista Paola Rettore lança o livro-objeto Avestruz – Só Tenho Rascunhos.

Para produzir o livro, foram realizadas performances em Belo Horizonte, a partir da construção de sete roupas-esculturas “pré-performance”, “pré-personagem” e “pós-persona”, trabalhadas como objetos, como construção de adereços superpostos ao corpo ou mesmo como uma extensão do corpo. O objetivo foi dar às esculturas um lugar de referência. As roupas foram criadas e confeccionadas pelo artista figurinista e artista cênico Marciano Mansur. As vestes questionam, em sua maioria, relações de poder, trabalhando no limite do exagero, da ironia, da provocação e da poesia. Trata-se de uma obra que explora como temática a multiplicidade de mulheres. Nas ruas foram vistas pré-personagens como a Ciborgue, a mulher Esmalte, a mulher Anos 50, Sofia, a mulher que dá diplomas, entre outras. Para a elaboração das performances Paola Rettore teve a colaboração teórica de Adelaine LaGuardia e Silke Kapp.

Deixe um comentário

Arquivado em Dança em BH

Dos meus olhos saem rosas

ESPETÁCULO “DOS MEUS OLHOS SAEM ROSAS”

O espetáculo “Dos meus olhos saem rosas” é resultado de um processo iniciado em 2005, quando a bailarina Marise Dinis dedicou-se à pesquisa “Sobre o não ver”, que investigou a mudança de perspectivas do corpo e do espaço entre as possibilidades do ver e do não ver. Como desdobramento, a artista lançou-se ao desafio de aproximar a dança contemporânea – manifestação artística extremamente apoiada na visão – desse universo.

Ao longo de seis meses de pesquisa junto a um grupo de deficientes visuais, a artista conseguiu desenvolver, através de aulas de dança contemporânea e consciência corporal, uma experiência artística que envolveu noções técnicas de dança, de percepção corporal e de criação. Paralelamente a isso, Marise passou pela experiência de ficar vendada durante 72 horas, na tentativa de experimentar uma mudança de padrão que pudesse lhe dar novas pistas de como se mover e se orientar, aproximando-se do universo que estudava.

A conclusão da pesquisa lhe trouxe a convicção de que a dança pode ser vivenciada por aqueles que não enxergam. Com isso, Marise decidiu criar um espetáculo sobre o tema e que oferecesse recursos para tal vivência. “Em ‘Dos meus olhos saem rosas’, alguns elementos foram utilizados como possíveis suportes para esse público. No entanto, o espetáculo não foi concebido exclusivamente com esse objetivo. Trata-se de um trabalho artístico direcionado a um público diversificado e que certamente proporcionará percepções diferentes de acordo com a condição de cada um. É um espetáculo que propõe aproximar o público de uma experiência sensorial, porém, sem ser interativo”, afirma a criadora e bailarina.

Para isso, a artista aliou a dança a outras linguagens que durante todo o espetáculo dialogam com seu corpo, buscando reproduzir esse universo cego. Isso acontece através da leitura de um texto, que naturalmente desperta em cada indivíduo memórias e imagens próprias de seu repertório, através da música e dos sons, que transportam o indivíduo para um diferente estado de atenção físico e mental e do improviso das imagens abstratas, projetadas ora como cenário, ora como extensão do próprio corpo. “Dos meus olhos saem rosas” é uma obra onde o corpo, o som, a luz, a imagem e o espaço se entrelaçam, de modo a proporcionar diferentes acessos sensoriais ao espectador.

Deixe um comentário

Arquivado em Dança em BH, Espetáculo

Programa Observatório de Dança – Espaço Ambiente – de 06 de jul de 2012 a 08 de jul de 2012

Programa Observatório de Dança recebe, de 06 a 08 de julho de 2012, o novo espetáculo de Claudia Lobo, intitulado Em Casa, com Joan Baez, e também o soloOlorun, da artista Luiza Braz Batista.

 

Desenvolvido pela Meia Ponta – Espaço Cultural Ambiente, o Programa Observatório tem o objetivo de disseminar a cultura em Minas Gerais, divulgar espetáculos e promover a integração entre artistas e público, através de bate-papo sobre a apresentação e bastidores do processo criativo.

PROGRAMA OBSERVÁTORIO RECEBE “OLORUN” (de Luiza Braz Batista ) e “EM CASA, COM JOAN BAEZ” (de Claudia Lobo)
Datas: 6, 7 e 8 de julho de 2012
Horário: sexta-feira (6) e sábado (7) às 20h e domingo (8) às 19h.
Local: Meia Ponta – Espaço Cultural Ambiente
Endereço: Rua Grão Pará, 185 – Santa Efigênia/BH
Ingressos: R$ 5,00 (preço único)
Classificação: 14 anos
Duração: 40 minutos
Telefone: 3241-2020 / 3227-7331

Deixe um comentário

Arquivado em Dança em BH, Espetáculo

Dança Multiplex

Dança Multiplex marca mais um encontro entre as dançarinas e coreógrafas Margô Assis, Renata Ferreira e Thembi Rosa, que há mais de uma década desenvolvem seus trabalhos de forma colaborativa, envolvendo-se com artistas de diversas áreas.

No programa, os espetáculos Olho: aresta ou fresta, com Margô Assis e Renata Ferreira, e 1331”, com Thembi Rosa e o matemático e artista digital Manuel Guerra. Em ambas atrações, o duo musical O Grivo compõe a trilha sonora.

Em Olho: aresta ou fresta, de Margô Assis e Renata Ferreira, um exercício de olhar para construir conexões ou simplesmente observar as mudanças que occorrem no tempo é a proposta central deste duo. Já 1331” é um dispositivo para pesquisa em dança, software, música e imagens. Uma proposta organizada pela dançarina e coreógrafa Thembi Rosa, em parceria com o duo musical O Grivo e com Manuel Guerra, matemático, dedicado às artes digitas e ao desenvolvimento de softwares.

DANÇA MULTILPEX | margô assis + renata ferreira + thembi rosa
Espetáculos Olho: aresta ou fresta (25min) e 1331” (22min)
:: De 06 a 08 de julho de 2012
Horário: 20h
Entrada gratuita com retirada de ingressos uma hora antes do início do espetáculo (sujeito a lotação do espaço)
Classificação: Livre

Estacionamento conveniado: Park Box Av. Santos Dumont, 218 | R$5,00 (preço único) | Trecho com trânsito local em função da implantação do BRT

Deixe um comentário

Arquivado em Dança em BH